Em homenagem ao Dia da Consciência Negra, defensor público destaca papel da Defensoria Pública na de


O defensor público titular da Defensoria Especializada na Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Roger Moreira, disse que a Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) cumpre papel fundamental na defesa dos direitos humanos, incluindo aqueles que são violados por causa de preconceito pela cor da pele. Ele destacou que o núcleo de Direitos Humanos da DPE-AM, que funciona na rua 24 de maio, Centro, zona sul de Manaus, está à disposição da população negra para receber denúncias contra esse tipo de preconceito e para prestar orientação jurídica.

“Temos uma população negra expressiva, como mostram dados do IBGE, que ainda sofre com o preconceito e enquanto isso acontecer temos que lutar para uma tomada de consciência. E a Defensoria se coloca à disposição daqueles que se sentirem vítimas do racismo”, afirmou Roger Moreira durante a Sessão Especial em homenagem ao Dia da Consciência Negra, realizada pela Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) nesta segunda-feira, 21 de novembro. A Sessão foi uma iniciativa dos deputados estaduais Alessandra Campêlo (PMDB), Luiz Castro (REDE) e José Ricardo (PT).

Uma placa de homenagem foi entregue ao Arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Sérgio Castriani e certificados foram entregues à Mãe Raimunda Guimarães Viegas (in memorian) representada por Manoel da Vera Cruz Guimarães; Professora Clara de Moraes Campos; Instituto Cultural Ajuri (INCA), representado por Marcos Moura, coordenador; Cristiano Correa dos Santos; União de Negros e Negras pela Igualdade, representada por Cristiane Oliveira, presidente; Fórum de Mulheres Afro-Ameríndias e Caribenhas; Fórum Permanente de Afrodescendentes do Amazonas (Fopaam), representado por Gláucio Gama Fernandes, coordenador.

Entre os participantes do evento estavam compondo a mesa do evento: Graça Prola,Secretária de Justiça de Direitos Humanos e Cidadania; Suzete Maria dos Santos, procuradora de Justiça do ministério Público Estadual (MPE/AM); Felipe Isper Abrahim Neto, secretário municipal de Direitos Humanos; Roger Moreira, defensor público, representando a Defensoria Pública do Amazonas (DPE/AM); Alberto Jorge, representante da Articulação Amazônica dos Povos Tradicionais de Matriz Africana (Aratrama); Raimunda Nonata Correia, representante do Fórum Permanente de Afrodescendentes do Amazonas (Fopaam); Cristian Rocha, representando o Movimento Orgulho Negro do Amazonas; e Cristiane Oliveira, representante do União de Negros e Negras do Amazonas.

Durante o uso da palavra os participantes da mesa do evento abordaram alguns aspectos que ainda precisam ser enfrentados pela população afrodescendente como a intolerância religiosa, a discriminação racial, a violência e a desvalorização da cultura negra.


70 visualizações