DPE-AM, Condege e Depen fecham programação da força-tarefa que vai atuar em presídios de Manaus


Em reunião nesta quarta-feira, 18 de janeiro, em Brasília (DF), o defensor público geral do Amazonas, Rafael Barbosa, o presidente do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege), Ricardo Batista, e técnicos do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), vinculado ao Ministério da Justiça, vão definir os últimos detalhes para a realização de mutirão que vai analisar processos judiciais de presos do Estado. A estimativa é que 60 defensores públicos do Amazonas e de outros Estados revisem processos de cerca de 10 mil detentos do sistema prisional em Manaus.

Somente da Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM), 20 defensores públicos participarão da força-tarefa, que faz parte do “Defensoria Sem Fronteiras”, programa permanente do Condege que prevê a atuação de defensores públicos de vários Estados em um esforço concentrado para atender demandas sociais emergenciais. Outros 40 defensores deverão vir de outros Estados.

A estrutura e logística para atendimento terão o apoio do Depen e das Secretarias de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e de Segurança Pública (SSP-AM). Segundo Rafael Barbosa, um grupo de defensores públicos do Amazonas, que já atua no programa “Liberdade para quem tem direito”, realizado pela DPE-AM, já está trabalhando no levantamento de dados e planejamento da atuação da força-tarefa. Os indicadores apontam que há 13 mil processos judiciais em curso para uma população de cerca de 10 mil detentos.

Rafael Barbosa destacou, ainda, que estão sendo mantidos diálogos com o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e Ministério Público Estadual, para dar mais celeridade na tramitação dos processos que serão revisados. O planejamento do mutirão prevê a análise processual prévia, o atendimento de presos dos regimes provisório, semiaberto e fechado e, ainda, a realização de audiências de custódia.

Mutirão do Tribunal de Justiça – Na manhã de terça-feira, Rafael Barbosa participou do lançamento da Semana da Justiça Criminal pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). Na ocasião, ele destacou o trabalho que a Defensoria Pública do Estado já está desenvolvendo em apoio ao mutirão que o TJAM iniciou, na última semana, para dar celeridade ao julgamento de processos de presos provisórios. Em uma semana, o Tribunal colocou em liberdade 432 presos do regime provisório, alguns deles mediante uso de tornozeleira eletrônica e cumprimento de medidas protetivas.

A Defensoria Pública tem prestado assistência jurídica aos presos que não têm advogado particular, permitindo o andamento dos processos criminais aos quais respondem. O objetivo, segundo Rafael Barbosa, é fazer com que os direitos desses presos sejam respeitados bem como diminuir a população carcerária, concedendo liberdade para quem tem direito ou penas alternativas previstas em lei.

De acordo com o TJAM, a Semana da Justiça Criminal, lançada na terça-feira, é um esforço concentrado que será implementado pelos Tribunais de Justiça de todo o País por recomendação da presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministra Cármen Lúcia.


75 visualizações
INSTITUCIONAL
Please reload

DIÁRIO OFICIAL
CONSELHO SUPERIOR
Please reload

LEGISLAÇÃO
SERVIÇOS
Please reload

IMPRENSA
Please reload

Please reload

Avenida André Araújo, nº 679 - Bairro Aleixo
CEP 69060-000 | Manaus - Amazonas