Covid-19: Defensoria Pública ingressa com ação para testagem em massa no Amazonas

Defensores argumentam que subnotificação compromete o real dimensionamento da pandemia e dá fôlego para manifestações favoráveis ao fim da quarentena



A Defensoria Pública do Estado (DPE-AM) ingressou com Ação Civil Pública para que a Justiça Estadual obrigue o Governo do Amazonas e a Prefeitura de Manaus a realizar a testagem em massa para Covid-19, alcançando pessoas com e sem sintomas da doença. Na Ação protocolada esta semana, a Defensoria também requer o estabelecimento de um fluxo de trabalho, em parceria com as funerárias e cartórios da capital, para garantir sepultamento digno em meio à pandemia.


O pedido de tutela de urgência conta com 71 páginas para argumentar uma série de pleitos que buscam combater a subnotificação de casos de Covid-19 no estado. O Amazonas enfrenta uma crise no sistema de saúde com 8.109 casos e 649 mortes provocadas pela doença até essa terça-feira (5). Além da testagem em massa, a Defensoria pede a criação do “Comitê Específico de Apuração, Análise, Certificação e Divulgação de Dados da Infecção Covid-19”, composto pela Prefeitura, Governo, Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Associação dos Notários e Registradores do Estado do Amazonas (Anoreg-AM) e Sindicato das Empresas Funerárias do Estado do Amazonas (Sefeam).


Conforme a ação, o Comitê teria que desenvolver e divulgar amplamente uma metodologia para a coleta de dados sobre a pandemia e os óbitos provocados pelo coronavírus. A FVS-AM, o Estado e o Município, por exemplo, seriam responsáveis para, com base nos parâmetros estipulados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e no praticado em outros países, padronizar os diagnósticos para evitar as declarações de óbitos com causa indeterminada, além de eventual confusão entre Covid-19 e outras síndromes respiratórias.


A Ação é assinada pelos defensores Rafael Barbosa, Caroline Souza, Roger Moreira e Rosimeire Barbosa, que atuam nas áreas de Interesses Coletivos, Cível, Direitos Humanos e Registros Públicos, respectivamente. No processo, eles argumentam que a deficiência na notificação dos casos de Covid-19 compromete o real dimensionamento do problema e, consequentemente, estruturação de políticas de ação.


“A não realização de testagem em massa, a falta de uniformidade nos diagnósticos e o sepultamento de pessoas sem causa mortis precisa ou identificada apontam, de modo inarredável, para a existência, no Estado, de um problema crônico de subnotificação, a afetar, direta e contundentemente, toda a população amazonense, da capital e do interior. Demais disso, a disponibilização de informes com dados irreais, aquém dos acontecimentos concretos, empresta fôlego para manifestações favoráveis ao fim da quarentena, contrariando as determinações médicas, bem como da Organização Mundial de Saúde, o que culmina por acentuar os riscos de contaminação”, argumentam os defensores na Ação Civil Pública.


Fim do enterro em vala coletiva


Na Ação Civil Pública, a Defensoria também pede que a Justiça Estadual obrigue a Prefeitura de Manaus a não realizar mais sepultamentos com sobreposição de corpos em uma mesma vala com o empilhamento de caixões. Os defensores solicitam ainda que o Comitê crie mecanismos para evitar a não emissão das Certidões de Óbitos, além de apoio às famílias para registro do óbito. Ao Governo do Amazonas e à Prefeitura, a DPE-AM pede ainda a criação de equipe multidisciplinar, com atendimento remoto, de cunho assistencial e psicológico, para suporte às famílias enlutadas.


“As medidas inicialmente adotadas pelo Município consistiam no imediato sepultamento ou cremação nos casos de óbito com diagnóstico confirmado ou suspeito do Coronavírus, sem a realização da cerimônia de velório. Desta forma, apesar de impedida de prestar as últimas homenagens aos entes queridos sob os ritos costumeiros, a família resguardava-se de seu direito ao sepultamento individual e minimamente digno, ciente das limitações necessárias para a segurança dos envolvidos”, diz trecho da Ação.


Esclarecimentos


A juíza Etelvina Lobo Braga, da 3ª Vara da Fazenda Pública da Capital, deu prazo para que, até essa quinta-feira (7), o Governo do Amazonas, Prefeitura, FVS-AM, Anoreg-AM e Sefeam prestem uma série de esclarecimentos e apresentem argumentos a respeito da Ação Civil Pública movida pela Defensoria. A medida, segundo a magistrada, foi adotada “a fim de melhor avaliar o pedido de tutela de urgência”.

87 visualizações
INSTITUCIONAL
Please reload

DIÁRIO OFICIAL
Please reload

CONSELHO SUPERIOR
Please reload

LEGISLAÇÃO
SERVIÇOS
Please reload

IMPRENSA
Please reload

Please reload

Avenida André Araújo, nº 679 - Bairro Aleixo
CEP 69060-000 | Manaus - Amazonas