Justiça determina que Estado forneça medicamento para paciente com suspeita de Covid-19


Decisão atende ação impetrada pela Defensoria Pública e deve ser cumprida no prazo de 24 horas


A Defensoria Pública do Estado (DPE-AM) obteve decisão liminar favorável para garantir que o Governo do Estado forneça o medicamento Tamiflu para um paciente com suspeita clínica de Covid-19, no prazo de 24 horas, conforme prescrição médica. O medicamento, no total dez cápsulas de 75 mg, deverá ser fornecido pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS), sob pena de multa diária R$ 5 mil, em caso de descumprimento.


De acordo com o defensor público Rafael Barbosa, autor da ação no Plantão Cível da instituição, o paciente apresenta suspeita de Covid-19 e necessita fazer uso de diversas medicações, incluindo Tamiflu 75mg. Contudo, mesmo com receita médica, não encontrou o fármaco em nenhuma drogaria de Manaus, uma vez que foi informado que o medicamento havia sido recolhido.


Ele ressalta que o paciente também tentou solicitar o medicamento no hospital particular onde realizou os exames que resultaram no diagnóstico, bem como em unidades públicas de saúde. Porém, foi informado que o medicamento só estava sendo fornecido aos pacientes em estado gravíssimo.


“Ao restringir sobremaneira o acesso de pacientes ao medicamento, o Estado ignora a reconhecida rapidez da evolução da Covid-19, apta a provocar elevado e desnecessário aumento do número de internações, sobrecarregando, ainda mais, o sistema de saúde. A insuficiência e a demora no tratamento serão, de modo irreparável, prejudiciais à saúde do autor, uma vez que a ausência da medicação pode levar à rápida piora do seu quadro de saúde, exigindo medidas mais drásticas, como sua internação, e, no pior dos cenários, podendo resultar em óbito. Além desse fato, a falta do medicamento pode contribuir para a disseminação da doença, mediante a contaminações de outras pessoas, em sobrecarga ao já debilitado sistema de saúde estadual”, explicou Barbosa.


O defensor argumentou na ação que, a exemplo do que tem sido amplamente veiculado na mídia nacional, a enfermidade apresenta evolução acelerada, exigindo tratamento urgente e preciso, além de ter acentuado risco de morte de pacientes. “Considerando a importância da medicação para assegurar a recuperação do paciente, de modo a evitar que seu estado de saúde se agrave, e que, por conta do recolhimento realizado pelo Estado, acha-se impedido de adquirir o fármaco, evidencia-se a urgência na análise”, disse o defensor.


O juiz de direito Marcelo Manuel da Costa Vieira acolheu os argumentos da Defensoria Pública e deferiu o pedido de tutela de urgência, determinando que o Estado providencie e forneça o medicamento de forma gratuita ao paciente.

93 visualizações
INSTITUCIONAL
Please reload

DIÁRIO OFICIAL
Please reload

CONSELHO SUPERIOR
Please reload

LEGISLAÇÃO
SERVIÇOS
Please reload

IMPRENSA
Please reload

Please reload

Avenida André Araújo, nº 679 - Bairro Aleixo
CEP 69060-000 | Manaus - Amazonas